Allan Kardec

Perguntei ás crianças:
Vocês sabem que nossa casa chama-se Associação Viva Vida Kardec. Mas vocês sabem quem é Allan Kardec?
Deixei  as crianças  responderem o que elas achavam. Em seguida mostrei sua foto e contei sua história.

A Doutrina Espírita foi organizada por um
francês chamado Denizard Hyppolite Léon Rivail,
que adotou o nome de Allan Kardec.
Ele nasceu em 03 de outubro de 1804, na
cidade de Lião, na França.
Era um homem muito inteligente, estudioso,
pesquisador, falava muitas línguas, escreveu
diversos livros e era professor de várias
disciplinas.
Em 06 de fevereiro de 1832, casou-se com a
senhora Amélie Gabrielle Boudet, nascida em 23
de novembro de 1795.
Ela era uma mulher culta, inteligente, autora
de livros e também professora.

O casal não teve filhos.

Em 1854, Allan Kardec ouviu falar, pela primeira vez, nas mesas girantes. A Europa e muitas outras
regiões viam-se envolvidas por estranhos fenômenos. Só se ouvia falar, por toda parte, das mesas
girantes, que se moviam em diversas casas e salões e, inclusive, respondiam a perguntas por meio de
pancadas.

Como pesquisador e estudioso, Allan Kardec se pôs a examinar tais fenômenos, descobrindo
que eram provocados por inteligências invisíveis (os espíritos), através de uma faculdade inerente ao
ser humano, que ele chamou de “mediunidade”. Pesquisando os fenômenos mediúnicos, Allan Kardec recebeu muitas informações dos espíritos sobre o chamado “plano espiritual”.
Organizando os ensinamentos que lhe foram transmitidos por uma série de espíritos superiores,
Allan Kardec publicou, em 18 de abril de 1857, “O Livro dos Espíritos”. Com a publicação desse livro, nascia a Doutrina Espírita, também chamada de Espiritismo, sendo, portanto, o conjunto de ensinamentos transmitidos pelos espíritos superiores a Allan Kardec.
 Até o final de sua vida, Allan Kardec trabalhou muito, organizando e divulgando o Espiritismo. Ele
publicou cinco livros que constituem a chamada “Codificação Espírita”:

- O Livro dos Espíritos (1857)
- O Livro dos Médiuns (1861)
- O Evangelho Segundo o Espiritismo (1864)
- O Céu e o Inferno (1865)
- A Gênese (1868)

Allan Kardec desencarnou em Paris, na França, em 31de março de 1869, aos 65 anos, em
decorrência da ruptura de um aneurisma, tendo sido enterrado em 02 de abril. Sua esposa viveu até
1883, ano em que, a 21 de janeiro, desencarnou na idade de 89 anos.
(Apostila Estudando o espiritismo com a turma do Dequinho)

Depois de explicar sua história e esclarecer porque o homengeamos, pintamos!


e cantamos!

Allan Kardec, o codificador (Clésio Tapety)

  Intro.: G C G D
G C
Quando aquele homem nasceu
G C
Veio com uma missão
G C D G C G D
De nos trazer a obra da Codificação
G C
Era grande professor
G C
Denizard Hippolyte Léon Rivail
G C D G C G D
Da missão de educar ele nunca fugiu
G C
O Espiritismo ele revelou
G C
Doutrina de luz e amor
G C D G C
Virou, então, Allan Kardec, o Codificador
G C D G C
Obrigado, então, Allan Kardec, por nos ensinar o amor
G C D G C G D G
Obrigado, então, Allan Kardec, nosso professor 


Algo mais

Contar a seguinte história:
Algo mais
Livro: Pai Nosso, Chico Xavier, pelo espírito Meimei.


Texto: Algo mais.

Um crente sincero na Bondade do Céu, desejando aprender como colaborar na construção do Reino de Deus, pediu, certo dia, ao Senhor a graça de compreender os Propósitos Divinos, e saiu para o campo.

De início, encontrou-se com o Vento que cantava e o Vento lhe disse:
— Deus mandou que eu ajudasse as sementeiras e varresse os caminhos, mas eu gosto também de cantar; embalando os doentes e as criancinhas.


Em seguida, o devoto surpreendeu uma Flor que inundava o ar de perfume, e a Flor lhe contou:
— Minha missão é preparar o fruto; entretanto, produzo também o aroma que perfuma até mesmo os lugares mais impuros.


Logo após, o homem estacou ao pé de grande Árvore, que protegia um poço d’água, cheio de rãs, e a Árvore lhe falou:
— Confiou-me o Senhor a tarefa de auxiliar o homem; contudo, creio que devo amparar igualmente as fontes, os pássaros e os animais.

O visitante fixou os feios batráquios e fez um gesto de repulsa, mas a Árvore continuou:
— Estas rãs são boas amigas. Hoje posso ajudá-las, mas depois serei ajudada por elas, na defesa de minhas próprias raízes, contra os vermes da destruição e da morte.



O devoto compreendeu o ensinamento e seguiu adiante, atingindo uma grande cerâmica.
Acariciou o Barro que estava sobre a mesa e o Barro lhe disse:
— Meu trabalho é o de garantir o solo firme; mas obedeço ao oleiro e procuro ajudar na residência do homem, dando forma a tijolos, telhas e vasos.


Então o devoto regressou ao lar e compreendeu que para servir na edificação do Reino de Deus é preciso ajudar aos outros, sempre mais, e realizar cada dia, algo mais do que seja justo fazer.


Atividade:

ilustrar a histórinha

Boas maneiras

Sempre é bom voltar a esse tema, rever as boas maneiras e as palavrinhas mágicas.
Hoje trabalhei com as crianças o livro:
O livro das péssimas boas maneiras, de Babette Cole. Com muitas ilustrações bem divertidas e poucos texto ele mostra como não se deve ser mas ao mesmo tempo incentiva a criança a tentar o seu melhor - mesmo que precise melhorar! As crianças adoraram e comentaram muito.

Algumas pessoas têm boas maneiras, outras têm péssimas maneiras. E outras ainda não têm maneiras de jeito nenhum. Neste livro de péssimas boas maneiras, Babette Cole mostra como crianças normais podem se tornar “verdadeiros anjinhos”... muito normais.

Boas Maneiras são regras básicas de como viver em sociedade. Boas maneiras também chamado de bons modos resume-se, basicamente, a viver de forma educada e cordial na família, na escola, na sala de aula, em locais públicos, à mesa, ao telefone, etc. No fundo, são boas maneiras em sociedade, regras de convivência social - http://educamais.com/boas-maneiras/ 
 Devemos sempre recordar de agradecer, cumprimentar, usar as palavrinhas mágicas (desculpe, com licença, por favor...). Essa maneira de ser nos ajuda a viver bem uns com os outros em todos os lugares onde estivermos.
Outras Sugestões de livros:
Emilie Beaumont: para os mais pequeninos

http://coisasdepro.blogspot.com.br/2011/10/o-livro-de-boas-maneiras-da-dora.html
Sugestão de vídeo:


Sugestão de jogos e passatempos online:






Mãos que fazem o bem - Cartilha do Bem

Hoje eu vou contar a história do livro Cartilha do Bem, psicografado por Chico Xavier, pelo espírito Meimei.

Existem duas forças em luta na Terra, onde Jesus está construindo o Reino de Deus.
Essas forças são a do bem e a do mal que se manifestam por nossas mãos.
Temos, assim, por onde passamos no mundo, as mãos iluminadas que estendem o amor e a paz, o trabalho e a alegria...


E conhecemos as mãos espinhosas que fazem o ódio e o desespero, a preguiça e o sofrimento.
Há mãos que sustentam a lavoura e o jardim, produzindo pão e felicidade.
E vemos aquelas que se entregam à miséria e ao vício.
Mãos que honram a indústria e o progresso.
Mãos que arrancam lágrimas e multiplicam o infortúnio.
Vemos braços que acariciam... Braços de mãezinhas abençoadas, de pais amigos, de obreiros da paz e da evolução, de enfermeiras abnegadas e de crianças generosas que asseguram na Terra o Serviço da Luz.


E encontramos braços que ferem e amaldiçoam, que se entregam ao crime, que humilham os pobres e os pequeninos, que exercem a crueldade, e que violentam a Natureza, aniquilando as plantas e os animais prestimosos.
Reparamos mãos preciosas que usam a enxada e a pena, auxiliando o celeiro e a educação.
E surpreendemos mãos infelizes que roubam e matam, estendendo a perturbação e a morte.
Mãos que levantam templos e lavres, escolas e hospitais.
Mãos que destroem e dilaceram, enganam e apedrejam.
Jesus veio ao mundo para que nossas mãos aprendam a servir à Luz do Bem, edificando a nossa própria felicidade.


Com as d’Ele, curou os doentes, socorreu os fracos, amparou os tristes, limpou os leprosos, restituiu a visão aos cegos...
Levantou os paralíticos, afagou os velhos e os deserdados, e abençoou as criancinhas...
Filhos meus, não permitam que as garras da sombra lhes dominem as mãos na vida...
Sigamos pelos caminhos da Luz, procurando a intimidade com os servidores do bem! 


Jesus é o lapidário do céu, a quem Deus, Nosso Pai, nos confiou os corações. 


Viram crianças? Temos mãos para construirmos o mundo do bem, mas se não tomarmos cuidado, acabamos por usá-las para o mal. Sigamos os ensinamentos de Jesus, que nos deu exemplos de como usarmos nossas mãos para o bem.

Atividades

Vamos usar nossas mãoszinhas para fazer coisas bonitas? Cobrir com um lápis em torno da mão, em papel branco ou colorido, ou usando a mão como um carimbo ( passando tinha na palma da mão) -podemos fazer coisas lindas! Olha os exemplos:

Leão

Girafa

Galo

Polvo e Peixe

Trem, Borboleta, Sol

Elefante

Garsa

Macaco

Usem a criatividade! Usem bem as mãos!