27/08/2015

O balão de Zuzuca

Zuzuca era um garoto muito desobediente.

Vivia fazendo arte e levando bronca do seu pai. Metia-se em cada problema que seu pai vivia pensando em levá-lo a um internato. Vocês sabem o que é um internato?
estabelecimento de ensino em regime interno (www.infopedia.pt)
Mas Ritinha, sua irmãzinha menor, era muito agarrada a ele.

Sempre que acontecia alguma coisa, Ritinha suplicava ao pai que não internasse Zuzuca no colégio. Pedia a Zuzuca que não criasse mais problemas, mas Zuzuca não tinha jeito. Era teimoso mesmo.
Certo dia apareceu em casa com um papel  todo colorido. Estava satisfeito!

Chamou Ritinha e lhe disse:
_Venha ajudar-me. Vou fazer um balão!
Ao ouvir isso, seu pai, que estava na cozinha veio dizendo:
-Zuzuca, não faça balões, porque são perigosos, meu filho.
Lembre-se que no ano passado um balão subiu e caiu sobre uma fábrica, incendiando-a. Quanta gente ficou sem trabalho!Quantas famílias sofreram por falta do salário que receberam aquela fábrica! Esses brinquedos são prejudiciais ao próximo.Não faça o balão!
Zuzuca a tudo ouviu calado. Disse ao pai que não faria, e guardou o papel. Assim que o pai saiu  para o trabalho, Zuzuca foi pegar o papel e se pôs a recortar o balão. Iria montá-lo e soltá-lo quando o vento começasse a soprar. Estava radiante. Ninguém iria incomodá-lo. Quando o balão ficou pronto chamou Ritinha para vê-lo.
-Veja, Rita, olhe meu balão. Que bonito!
-Papai já disse que não é para soltar balão!

Mas o teimoso não ouvia ninguém. Acendeu a mecha do balão e este já foi subindo. De repente Paulo, o menino do vizinho atirou uma pedra sobre o balão, pois já havia aprendido na escola que os balões são prejudiciais.


O balão foi descendo, descendo e caiu sobre a casinha do gato Mimi e do cachorrinho Rex, que descansavam sobre suas almofadas.


 O fogo incendiou rapidamente a casinha, e os dois animaizinhos saíram chamuscados pelo fogo. Pobrezinhos, como estavam assustados!
Zuzuca ficou muito arrependido, pois eram seus bichinhos de estimação. Adorava os companheiros de brincadeiras. Ao ver a dor dos seus bichinhos, Zuzuca chorou e disse:
 -Nunca mais vou soltar balões! Papai tem razão!
Depois dessa lição, Zuzuca nunca mais desobedeceu. E existem muitas pessoas como Zuzuca. Só aprendem quando acontece um acidente...


Viram crianças? Devemos obedecer nossos pais pois eles nos amam e só querem o melhor para nós.
Obedecendo aos nossos pais podemos evitar acidentes que poderiam terminar em tragédias.
Por isso não se esqueçam: mesmo que sejam contrariados, procurem sempre seguir as orientações de seus pais. Com o tempo, e,
conversando com seus pais, vocês vão entender o porquê delas.


Sugestão de Atividade:

Pintar e enfeitar o balão do Zuzuca.
Assim pode!






 

20/08/2015

O aprendiz desapontado

Contar a história do livro O aprendiz desapontado



Após comentar sobre o livro pedir ás crianças que ilustrem a história do livro.




19/08/2015

Roda de leitura

Toda criança é um mundo espiritual em construção ou reconstrução, solicitando material digno a fim de consolidar-se.” (André Luiz, Sinal verde, 45. ed., p. 38)

Está sabendo do projeto Maleta de Leitura?


A pouco tempo iniciamos, timidamente, no objetivo de incentivar ás crianças o gosto pela leitura.
Para familiarizar as crianças aos livros começamos por emprestar um livro por semana e oferecemos um brinde ao final de quatro livros lidos no mês.
Dando continuidade, ao término de oito livros lidos em dois meses, um kit surpresa.
Para fechar, no período de três meses, fechando o ciclo com quinze livros lidos, não só a criança, mas também a mamãe ganhará um brinde!
 Isso tudo foi feito para atrair a comunidade do Viva Vida Kardec ao nosso universo literário!
Temos um tímido acervo, mas suficiente para  começar no projeto.

.
Depois disso, só então teremos início ao projeto maleta de leitura propriamente dito!
Olha só quem já ganhou!
Emily e João Pedro

Aneliane
Parabéns crianças!!! Continuem lendo muito que vocês só tem a ganhar!

Nessa quinta feira faremos uma roda de leitura onde conversaremos sobre os livros lidos, a importância de ler e como gostar mais de ler. Aguardem as boas novas!






13/08/2015

O pescador o anel e o rei

Para contar essa história utilizar:
Chapéu de palha - para representar um pescador (ou uma varinha de pescar simulada)
Coroa feita de cartolina e papel dourado ou amarelo  - para fazer o rei
Um anel - pode ser de brinquedo
uma caixinha ou um baú enfeitado.
Um lenço para amarrar na cabeça - para representar a mulher do pescador
um saco cheio de badulaques para representar o mercador
peixes de brinquedo ou cartolina

Essa história contei tal qual a contadora de histórias Bia Bedran - exceto pelos instrumentos musicais e seu talento especial! Segue o vídeo para mostrar como ela conta - e encanta as crianças:



Conto popular - Música e adaptação: Bia Bedran

Era uma vez um velho pescador que vivia cantando:
Canto: Viva Deus e ninguém mais / Quando Deus não quer / ninguém nada faz.

Mesmo quando sua pesca não era boa, ele cantava com muita fé e alegria a sua cantiga.
Canto: Viva Deus e ninguém mais / Quando Deus não quer / ninguém nada faz.

Um dia, o rei daquele lugar soube da existência do pescador e quis que ele fosse à sua presença, por não admitir que Deus podia mais que tudo no mundo... Esse rei era tão poderoso e orgulhoso, que achava que podia até mais que o próprio Deus!
E lá foi o pescador, subindo as escadas de tapete vermelho do palácio, cantando:  Viva Deus...

Diante do rei, o pescador não mostrou medo algum, e ainda reafirmou sua fé, cantando a mesma cantiga.
Então o rei disse:
Rei: Vamos ver se Deus pode mais que eu, pescador!
Eis aqui o meu anel. Vou entregá-lo aos seus cuidados!
Se dentro de 15 dias você me devolver o anel, intacto, você ganhará um enorme tesouro, e não precisará mais trabalhar para viver.
Porém, se no 15° dia você não voltar com o anel, mando cortar a sua cabeça! Agora vá embora...
O pescador foi embora e na volta pra casa, cantava: Viva Deus...

Quando chegou em casa entregou o anel para a mulher que prometeu guardá-lo a sete chaves. Deixe estar que isso não passava de um plano do rei, que logo mandou um criado disfarçado de mercador, bater na casa do pescador, quando esteja havia saído para pescar.
Criado disfarçado: Ó de casa!
A velha senhora abriu a porta.
Criado: Minha senhora, sou mercador. Vendo e compro anéis. A senhora não teria aí pelas gavetas um anelzlnho para me vender? Pago bem!
E mostrou muito dinheiro.
Velha: Não tenho não senhor. Aqui é casa de pobre. Não tem anel nenhum não.
Mas a velha ficou surpresa com tanto que o homem mostrava.
Acabou caindo na tentação, e vendeu o anel!

No fim do dia, o pescador voltou pra  casa cantando:  Viva Deus...

...Quando chegou em casa, soube do que havia acontecido e ficou desesperado.
Pescador: Mulher! Você não vendeu o anel não; você vendeu minha cabeça!
E foram correndo procurar o mercador pela floresta, pela estrada, pela praia, pela aldeia e nada...
Claro! À essa altura, o criado disfarçado de mercador já estava longe, e havia jogado o anel em alto mar, a mando do rei, para que nunca mais ninguém pudesse encontrá-lo.
E: o tempo foi passando...
Décimo dia...
O pescador, triste continuava cantando: (mais lento) Viva Deus...
Décimo primeiro dia...
E o pescador cantando e pescando...
Canto: (ainda mais lento) Viva Deus...

Até que no penúltimo dia, o pescador chamou a mulher e disse:
Pescador: Mulher, eu vou morrer... Amanhã, minha cabeça vai rolar. Vamos nos despedir, com uma última refeição. Farei uma boa pescaria. E lá foi o pescador, tristemente, cantando sem parar sua cantiga.
Canto: Viva Deus... (muito triste)

Pescou 50 peixes, 49 ele vendeu no mercado, e 1 levou para mulher preparar.
Ela caprichou no tempero e fez no fogão de lenha, aquele peixe que seria sua última ceia junto com o marido depois de tantos anos. Mastiga daqui, chora dali, pensa de lá, e de repente...
Pescador: (Se engasgando) O que é isso? Mulher (cospe o anel).
Eu não disse que Deus pode mais que todo o mundo?
Canto(bem animado): Viva Deus...

O pescador limpou o anel, e correu em direção ao palácio. Subiu a escadas de tapete vermelho cantando, fez uma reverência para rei, que perguntou todo poderoso:
Rei: E então, pescador? Aonde está o meu anel?
E o pescador, vitorioso:
Pescador: Está aqui, meu rei!
O rei ficou boquiaberto! Não conseguia acreditar...Teve de entregar o tesouro para o pescador. E até o rei teve que cantar:
Canto: Viva Deus e ninguém mais / Quando Deus não quer / Ninguém nada faz

Sugestão de atividade:
molde de coroa

                                                                       Peixe cartolina





06/08/2015

O sonho de Tartula

Hoje contarei a história O sonho de Tartula - Evangelização infantil 2º ciclo de Mariluz Valadão
(utilizar fantoche, ou teatrinho, para contar a história. Eu dei as personagens coladas em cartolina com adesivo atrás e o painel da natureza como fundo. A medida que eu contava a história as crianças movimentavam as personagens)

Era uma vez uma linda mata, habitada por alguns pequenos bichos, pássaros miúdos, algumas velhas corujas e ...Ah! Sim. Também a Tartula, uma pequena tartaruga.
Os bichos eram alegres e brincalhões e viviam a correr e a brincar. A certa distância, havia uma lagoa que era separada da mata por uma grande faixa de areia macia e amarelada, formando uma enorme praia. 

Nos dias de calor, iam todos á lagoa tomar banho e, depois, estiravam-se na areia, ao sol morno da manhã. Bem, nem todos. A Tartula não. Era muito vagarosa e não conseguia acompanhar os outros. por isso vivia só e ... triste.
Os bichos achavam a tartaruga, por ser assim tão lerda, atrapalhava as brincadeiras. Mas o que mais incomodava a bicharada era um Gavião, que morava bem no alto de um jatobá, logo ali na entrada da mata. Costumava-se esconde-se lá até que os bichinhos saíam a brincar pela mata. (...)


Quem sofria era a Tartula, que não podia correr. O Gavião gostava-lhe de bicar-lhe a cauda, sempre que a pegava distraída mas ela se defendia escondendo-se em sua casca. Então o Gavião subia em suas costas e punha a pular, pular, até se cansar.
Num desses dias quentes, quando os bichinhos se preparavam para ir á lagoa para o banho matinal e tagarelavam alegremente sobre as brincadeiras que lá fariam, uma voz fininha se fez ouvir. Era a Tartula perguntando onde iam todos. Sabendo que ela queria acompanhá-los eles disseram que não iam a lugar algum. Tartula insistiu dizendo que sabia; eles iam á lagoa e queria ir também. Mas o Gambá tomou a palavra e tentou explicar: - Você anda muito devagar e vai ficar pra trás.


E o macaco disse também: - Da última vez que a levamos conosco, você andou tão devagar que, quando chegamos lá o sol já tinha ido dormir.
Nada adiantou a Tartula dizer que dessa vez iria depressa. O Coelho foi falando: -Não! Isso você diz sempre!Mas com essa casca pesada, até um caracol anda mais depressa que você!!! Tchau! Vá dormir com sua casca!
Dizendo isso, os bichos puseram-se a caminho. E Tartula muito triste, olhava-os com os olhos cheios de lágrimas. Quando eles desapareceram, ela se arrastou para dentro de um velho buraco de tatu e pôs-se a chorar:
-Hóóóóó! Como sou infeliz. Não consigo nem brincar com meus amigos. Também, eu sou tão vagarosa! Hóóóóó... como a natureza foi tão ingrata comigo, dando-me esse trambolho de casca!Se não tivesse que carregar essa "droga", poderia correr e brincar com os outros bichinhos, e não estaria assim tão sozinha... Não sei porque Deus, o meu Papai do Céu, me fez assim. Podia bem ter-me feito diferente... Aí , sim... eu poderia ser feliz e viveria muito contente.
E assim, sem conseguir entender o porquê de sua casa, chorou... chorou... chorou... até adormecer. De repente, pareceu-lhe que estava diferente!!! Ora vejam só! Sentia-se mais leve! E um friozinho também. Realmente era uma sensação muito diferente.
-Engraçado, que há comigo? Tartula abriu os olhos e ... Estava sem casca!!! Fechou os olhos de novo. - Não acredito! - pensou. Abriu os olhos - Ora essa! Estou sem casca!!! Ao seu lado estava a casca vazia! - É verdade!!! É verdade!!! Exclamou maravilhada.

Era inacreditável! Que teria acontecido?Tartula sentou-se sobre a casca vazia, a fim de pensar sobre o acontecimento. Mestre Coruja que é muito sábio, havia lhe falado sobre o Papai do Céu: 
"Ele fez o mundo e criou todas as coisas. E fez tudo muito bem feito!"
Porém, pensou Tartula,aquela casca não fora bem feita, só a atrapalhava.- Sim! Deve ser isso mesmo. O Criador reconheceu que minha casca não servia para nada. Fiquei muito melhor assim!
Bem, agora Tartula tinha que mostrar aos outros bichinhos sua nova aparência. - Vou á lagoa! A turma vai ficar assombrada! E saiu correndo. Atravessou a mata, e, num instante, já se encontrava a poucos passos da lagoa.
- Hei turma!!!Olhem! Eu estou aqui!!!  Os bichinhos olharam. V-V-V-Vejam!!! Gaguejou o Coelho.
Tartula ficara muito diferente sem a casca, e os bichinhos não a reconheceram.
- Céus! O que é aquilo? gritou o Macaco.
- É um marciano!!!
- Vem em nossa direção! Corram!!!
- Aii!!! Vamos embora! Fujam!
- Sou eu! A Tartula! - gritou a tartaruga. Mas os bichinhos já estavam longe, correndo a bom correr, assustados com aquela "visão" esquisita, pois nunca tinham visto uma "coisa" como aquela!
-Oh!Vão todos embora! pensou a tartaruga desapontada. O sol estava morno e Tartula  estirou-se na areia macia. Ajeitou os óculos escuros e disse para si: - Não faz mal! Ficarei com a praia só pra mim. Que calorzinho gostoso! Como é bom poder-me estirar-me assim, ao sol, fora daquela casca grossa!

Fechou os olhos e cochilou na areia morna. As horas foram passando e o sol foi ficando grandão, vermelho, abrasador!!!Seu corpo ardia, horrivelmente pois estava sem proteção sem a proteção da casca, o sol queimara-lhe a pele fina. Sentou-se na areia quente e olhou-se: estava " vermelhinha da silva"! Ficou horrorizada!!!

-Como  estou queimada de sol! Preciso achar logo uma sombra, senão morro assada!
Tartula lembrou-se que lá na mata , àquela hora estava fresquinha. Teria que chegar até lá senão seria seu fim!
Desesperada pôs-se a arrastar-se pois a areia afundava seus pés, dificultando-lhe a caminhada.E o sol, ah! Tornava-se cada vez maior e mais quente, parecendo persegui-la com seus raios, a castigar-lhe a pele já queimada.


-Ah, que bom seria se eu estivesse na minha casquinha! Bastava que me recolhesse para dentro dela e pronto!Nem todo esse sol poderia fazer-me mal! Como era fresquinha e agradável, a minha casquinha!
Pela primeira vez, então, a Tartula começou a compreender a importância de sua casca. E a noite chegou, uma lua grande e brilhante substituiu o sol.
-Ainda bem que estou chegando! Já estou vendo a árvore onde mora o Gavião. Lá está ele em seu galho favorito. Tomara que ele esteja dormindo!
A pobrezinha tremia de frio e de medo. Se o Gavião a visse, estaria perdida, sem a casca!!!


Ia passando debaixo do nariz do Gavião, quando este, abrindo o olho, perguntou-lhe:- onde vai a esta hora? Tartula não respondeu. 
- Ah! Deve ser uma salsicha ambulante: com mostarda e pão, você vai bem!! exclamou o Gavião. -Venha cá; acho que vou comê-la...
A pobre Tartula começou a correr pela mata.
O Gavião alçou vôo  e rapidamente a alcançou.
-Pare!!! gritou. - Não adianta correr, que eu te pego mesmo!
 Tartula correu mais ainda. Quase não aguentava mais! O Gavião atirou-se sobre ela e, prendendo-a com suas garras possantes, elevou-se ao ar novamente.
-Ah! Que petisco! Disse o Gavião. Vou carregá-la para o meu ninho e fazer com você um belo sanduíche! Sim senhor! Que belo sanduíche!!!
Tartula a essa altura, berrava, berrava, berrava...
...até que acordou, com seus próprios berros!!! Ela se encontrava em sua casca, no mesmo lugar, dentro da velha toca de tatu, onde se escondera para chorar!!! Tartula compreendeu tudo, então! Adormecera e sonhara tudo aquilo. Ou melhor: tivera um pesadelo. E que pesadelo!
-Ah! Que alívio! Como é bom estar na minha casquinha! Como eu gosto dela! Esse sonho ensinou-me uma lição. Mestre Coruja é quem estava certo!
O Criador sabe o que faz... 
Se ele me deu esta casca, é porque eu não poderia mesmo viver sem ela. Como eu Lhe agradeço por tê-la, agora que sei para que serve!!!

Sugestão de Atividade:
Fazer os personagens da história:

Tartaruga Tartulaa
Coelho

Gavião