28.3.13

Pascoa e Espiritismo


A Doutrina codificada por Allan Kardec não possui dogmas, rituais, não
institui abstinências alimentares, nem possui comemorações vinculadas a datas
comerciais e cívicas. Por isso os espíritas não comemoram a morte nem o
reaparecimento de Jesus. O Espiritismo nos ajuda a entender os acontecimentos da
passagem de Jesus no plano Terra e esclarece que a Páscoa é uma festividade do
calendário adotada em nossa sociedade por algumas religiões.


Para os espíritas a Páscoa, como qualquer outro período do ano, deve ser
um momento de reflexão, estudos e reafirmação do compromisso com os ensinamentos
do mestre, a fim de que cada um realize dentro de si, e no meio em que vive, o
reino de paz e amor que ele exemplificou.

0 maior milagre que Jesus operou, o que verdadeiramente atesta a sua
superioridade, foi a revolução que os seus ensinamentos produziram no mundo,
apesar da exiguidade dos seus meios de ação.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/praticas-distantes-semana-santapascoasexta-feira-santa/#ixzz2Ok5Wn14A

Sugestões de atividades para as crianças:









Devemos aprender  tudo que Jesus ensinou com sua vida, não com sua morte : esse fato só nos mostra o quanto ainda eramos cruéis.
Semana santa para católicos representa a morte a morte e a ressurreição de cristo. Porque pensar na morte se temos tanto a aprender com sua vida?

Subsídio para educadores, pais e evangelizadores sobre semana santa:

Esta semana, que a Igreja Romana considera santa, comemora-se a paixão e a morte de Jesus Cristo.
Essa fúnebre solenidade da paixão, dos sofrimentos e da morte de Jesus Cristo, ora se celebra em março, ora em abril.
Comemora-se sempre o seu nascimento no dia certo, 25 de dezembro, porém, a sua morte não é comemorada em dia, semana e mês certos.
Por decreto do Concílio de Nicéia, reunido no ano 325, o dia da Páscoa, do qual dependem todas as demais festas móveis do ano eclesiástico, deve ser celebrado no domingo depois da primeira lua cheia da primavera. É considerada pela Igreja Romana a maior solenidade do ano eclesiástico.
É muito estranhável e nada justifica essa resolução da Igreja naquele Concílio.
Na quinta-feira Jesus deveria ter realizado a última ceia pascal com os seus amados discípulos. E a Igreja ainda hoje comemora a solenidade da Páscoa, que o próprio Jesus, como judeu, celebrou e que não foi instituída absolutamente por Ele.
A Páscoa é uma antiga festa nacionalista dos judeus, em que celebravam a libertação de todo o seu povo do cativeiro egípcio, quando Moisés conseguiu a permissão do Faraó para abandonar as terras do Egito, emigrando do interior desse país em busca das Terras Sonhadas da Promissão.
A Páscoa é a festa da independência, da liberdade, da consolidação das instituições nacionalistas judaicas, da vitória espiritual da raça, alcançada por esse povo sofredor e admirável e de ânimo forte, que é o povo judeu, que, de escravo no Egito, passou a povo livre, tempos depois, nas terras sagradas da Palestina.
A Páscoa representa a passagem, quase a pé enxuto, do Mar Vermelho, de todo o heróico povo judeu conduzido pelo grande Moisés, quando emigrou do país onde vivia como escravo, perseguido, logo mais, pela poderosa cavalaria egípcia, que não o alcançou graças à maré enchente daquele Mar. Páscoa significa passagem. A Igreja de Roma alterou esta grande solenidade caracteristicamente judaica e incorporou-a às suas instituições humanas.
Nada tem a Páscoa de cristã.
Os espíritas não celebram a Páscoa, porque não são judeus, nem consideram esta semana como santa, porque não são católicos. Não jejuam, comendo apenas peixe. O jejum não é material, é espiritual. O peixe é um ser que tem tanto direito à vida como o boi, a galinha, o peru, o carneiro e o porco.
Os dias desta Semana são iguais aos da passada e aos da futura. Não queremos ter uma semana santa de comemorações materiais…
Desejamos santificar todos os dias do ano pela prática constante do bem, amando a Deus e ao próximo, tornando-nos sempre úteis aos nossos semelhantes, servindo-os e assistindo-os nas suas necessidades com emoção e desinteresse.
Todos os dias devem ser santos para o verdadeiro cristão.
Se o Cristo ressuscitou, se é Espírito e Vida, se está hoje mais vivo do que nunca em nossos corações, por que comemorar a sua morte, o seu sacrifício infamante na madeiro entre dois pecadores?
Se Ele foi grande na sua morte, foi maior na sua ressurreição e muito mais ainda na sua vida de pureza e de santidade, vida divina que todos devemos imitar.

Djalma Montenegro de Farias